Live da Engenharia Civil discute a construção da ETA São Gonçalo


918  1 de julho de 2020

A importância da construção da Estação de Tratamento (ETA) São Gonçalo é tema da primeira live do curso de Engenharia Civil da Universidade Católica de Pelotas (UCPel), marcada para esta sexta-feira (3), às 19h. A transmissão ocorre através do canal da UCPel no YouTube.

Idealizado desde a década de 1990, o projeto da ETA começou na prática em julho de 2015 e, desde então, tem se arrastado para chegar a sua finalização, incluindo impasses que vão desde aquisição de verba e liberações até nova licitação, demissões, atraso no pagamento de funcionários e questões de segurança do trabalho.

Em virtude da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), as obras encontram-se paradas desde meados de março. Cerca de 80% já se encontra concluído. A empresa Enfil SA Controle Ambiental, de São Paulo, é a responsável pelo empreendimento. “Se não fossem tamanhos imprevistos, a inauguração aconteceria ainda este ano”, comenta o professor Gilberto Cunha, que realizará a apresentação da live.

O encontro virtual contará com a participação das engenheiras civis Anelise Morais e Milene Sottoriva, o engenheiro eletricista Juliano Londero e a advogada Greicy da Silva. Os convidados são colaboradores vinculados ao Serviço Autônomo de Saneamento de Pelotas (Sanep) e participaram ativamente do projeto.

 

Em debate

A live intitulada “ETA São Gonçalo: Solução para o abastecimento de água em Pelotas” sinaliza um otimismo que deve se tornar realidade quando a estação de tratamento estiver funcionando. “A ETA vai suprir aproximadamente 50% do abastecimento de água na cidade. Com isso, há a possibilidade de que tenhamos uma expectativa de solução para problemas de estiagem, por exemplo”, acredita Cunha. As demais estações, como Santa Bárbara e Sinnott, continuarão ativas.

Na pauta desta sexta-feira, o apresentador adianta que será abordado a escolha do Capão do Leão como ponto de captação de água e construção da ETA; as fases da obra e as questões legais envolvidas; além de quesitos técnicos, como capacidade de abastecimento, regiões da cidade que serão supridas e interligação com outros pontos e até municípios.

A abordagem técnica do projeto deve ser, segundo o professor, o principal atrativo para os futuros engenheiros que acompanharão o evento on-line. “A prioridade são os assuntos de interesse dos nossos alunos, mas o evento é aberto para qualquer interessado”, diz Cunha.

 

Redação: Max Cirne

Deixe um Comentário

Seu e-mail não será publicado.

*
*